Por um LinkedIn sem selfie

O tempo se reinventa. E por onde ele passa, a ascendência da comunicação torna-se mais real. Estamos inseridos no tempo, mas será que estamos acompanhando seu ritmo?

Quando penso na história do tempo, percebo uma linha de domínios, presença – ou a falta dela -, sintaxes e reconstruções. É esperado uma evolução constante, todos os dias. Foi nos dito o que precisamos ser, fazer e como evoluir. Criou-se então uma idealização um tanto quanto forçada, e prematura.

Mas, e os bons costumes, será que se perderam com o tempo?

As redes sociais trabalham para manter uma exposição sadia. Essa é a proposta. Você expor o que você quiser de maneira leve. E, mesmo assim, existem regras. Algumas contradições. Acredito que, por isso, criaram-se plataformas com perfis únicos. A diversidade no meio digital é algo formidável. A criatividade ganhou seu espaço no tempo, mais uma vez. Cada rede possui seus objetivos, e junto deles, a ética.

Quando conversamos sobre ética, é lembrado que ela pode ser confundida com lei, embora que, com certa frequência a lei tenha como base, princípios éticos. E então, vemos as ramificações. Na ética profissional, observa-se os chamados “códigos de conduta” do indivíduo em sua rotina de trabalho. Tornam mais compreensivos o conceito de moral, na qual este, busca fundamentar o modo de viver pelo pensamento humano.

É o bom senso, a “vergonha na cara”, a carapuça, a intolerância parar determinados assuntos, a presença, o domínio de si. O conhecimento de si. Quando é analisado currículos, por exemplo, por entre as formações e indicações, entre linhas, a ética e moral do indivíduo também são vistos, de uma forma ou outra. E isto talvez possa ser o grande fator determinante em uma contratação.  São os argumentos que você expõe.

Bom, comecei por este caminho para chegar ao marketing pessoal. É imprescindível ocorrer em seu dia, a autoanálise. Este exercício precisa ser constante. Pois desta forma, a sua ação perante as redes sociais torna-se mais efetiva. Positiva. Seu empenho é notado. Seu nome é visto. Tudo porque a priori, você se olhou, identificou defeitos, procurou corrigi-los, e não teve medo de se expor.

O LinkedIn, como todos compreendem, trata-se de uma rede profissional, e por isto, precisa ser levada a sério (assim como todas as outras plataformas precisam ser exploradas de acordo com suas propostas). É o fortalecimento do seu nome.

Deixe-me ser claro: fotos sem camisa, ou com decotes não te trarão resultados. (Bom, talvez os resultados que você esteja procurando não sejam os mesmos que os meus). Há uma negligência desenfreada na construção dos perfis. Muitos não foram aconselhados, e outros que não se preocupam com consultoria, treinamento ou estudo sobre o posicionamento de sua imagem. Os recrutadores já consideram o perfil LinkedIn como ferramenta principal para contratações em 80%. Os estudos proporcionam fragilidades em 90% dos perfis disponíveis, e a maioria está relacionada com a foto.

Deixe as selfies para o Instagram.

Deixe as nudes para Snapchat.

Deixe os memes para Facebook.

Deixe os erros gramaticais para o Twitter.

Deixe os matchs e a pegação para Tinder.

Atente para algumas orientações.

Esteja com trajes que favoreçam. Evite o duvidoso, como: óculos escuros, ternos amassados, poses inóspitas, outras pessoas, foto embaçada, cortada e muito editada, com zoom excessivo e muitos filtros. Você pode (e deve!) ser original, artístico, ousado. Mas, em tudo que fizer, lembre-se dos olhos atentos. Foi-me dito, por exemplo, que preciso estar olhando para a câmera, para que a foto seja mais comercial. Não vejo essa ponderação necessária.

Sou um amante da fotografia e expresso isto em meu Instagram (@arthiebarbosa). Gosto de trabalhar com conceitos. Confesso estar um pouco cansado desta mesma composição sempre. Há um padrão imposto. E quando pensamos em padrões, precisamos entender sobre a construção da influência. Você não precisa ser o padrão, mas também não desvalorize sua imagem. Acredito que você pode ser comercial por outros ângulos, mostrando sua personalidade; que pode trabalhar o neuromarketing, comunicação visual, expressão corporal, a didática através de sua foto, sem forçar, sendo leve e legítimo.

Quando for referenciar-se, com o título, é interessante colocar cargos específicos, ou os cargos que pretende alcançar. Coisas do tipo “estou procurando” não transmitem credibilidade alguma.

Quando pensar em resumo e as palavras que irá usar, vale lembrar que os recrutadores são muito apressados, e por isso muitos só lerão até aquele ponto. Concentre seu domínio com as palavras e sua criatividade para vender sua empregabilidade. Não vejo a necessidade de anexar seu currículo, desde de que tudo esteja expressamente exposto e devidamente preenchido. A plataforma aceita upload de arquivos, então, se julgar necessário, inclua. A ideia é trazer impacto.  Mas entenda, não é “encher linguiça”. Cuidado com isso. Você pode se tornar repetitivo e cansativo. E até se passar por mentiroso.

Percebo inconstâncias. Talvez desequilíbrio em alguns perfis. Mas, fica o apelo à prudência. Pesquise.  A busca pela autenticidade está em exercer a tolerância, o bom senso e fazer a verdade pessoal prevalecer sobre as opiniões alheias.  Como disse sobre a foto, friso mais uma vez. Você pode ser singular no mercado; se destacar pelos seu méritos e conquistas, e pode também ser o diferencial em resoluções e concepções.

Se fôssemos falar sobre o uso e envio correto de mensagens…

Este texto não se trata somente de uma análise, mas uma reflexão. Algumas dicas para te proporcionar uma experiência mais agradável na plataforma. Não existe o perfil perfeito. Não existe a formatação de currículo perfeita. Existe o bom senso. Ponderação. Criatividade.Originalidade.

A seriedade será captada pelas empresas, amigos e colegas de trabalho. Construa seu objetivo e dedique-se. Do contrário, exclua seu perfil.

Há muito o que conversamos sobre o LinkedIn, como: perfis fraudulentos, o uso da ferramenta de publicação, o ingresso aos grupos, as pesquisas de emprego, recomendações, personalização do perfil, conexões feitas e a conta Premium. Mas acredito que a construção da imagem, por hora, é mais relevante. Vamos continuar proseando sobre esta plataforma em outros artigos.

Para ilustrar mais estes posicionamentos, fica a minha sugestão a leitura sobre a “construção da influênciaclicando aqui. Boa leitura, boas reformulações e até o próximo texto.

Por 

Anúncios