Alegando perdas salariais, bancários rejeitam nova proposta de reajuste e mantém greve

Os bancários em greve rejeitaram a nova proposta de reajuste salarial feita pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) nessa quarta-feira (21). Com isso, a greve vai continuam até, pelo menos, até a tarde dessa quinta-feira (22), quando haverá nova rodada de negociação.

A federação ofereceu hoje reajuste de 8,75%, sem abono. Segundo o Sindicato Nacional dos Bancários, a proposta sequer corrige a inflação do período e representa perda salarial de 1,03%. Em reunião no Hotel Maksoud Plaza, no centro da capital paulista, os bancários já haviam rejeitado a proposta de reajuste de 7,5% e retirada do abono, feita pela Fenaban.

“A greve está forte e a expectativa dos bancários é uma proposta melhor. É importante a retomada das negociações, e que ela continue até que possamos entrar em acordo”, disse Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

De acordo com a presidente do Sindicato, Suzineide Rodrigues, mais de 87% dos 12 mil bancários estão parados em Pernambuco. “Nas instituições financeiras públicas, a paralisação atinge 98% das unidades. Nos bancos privados, 77% das agências pernambucanas estão fechadas”, diz. Para ela, a paralisação deve continuar forte até a Fenaban garantir uma proposta que atenda as reivindicações da categoria.

Além do reajuste salarial de 16%, os bancários reivindicam valorização do piso no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.299,66 em junho), PLR de três salários mais R$ 7.246,82. Eles também cobram o fim das metas abusivas e do assédio moral, melhores condições de trabalho, fim da terceirização e proteção ao emprego, vales-alimentação e refeição maiores.

Fonte: Rádio Jornal

Anúncios