Bônus da Educação limitado a R$ 584,24

Com menos R$ 48,4 milhões para pagar o Bônus de Desempenho Educacional (BDE), comparado com o valor do ano passado, o governo estadual deposita no próximo dia 6 de outubro, na conta de professores e técnicos da Secretaria de Educação, o incentivo deste ano. Os docentes vão sentir o impacto na diminuição dos recursos. No último ano foram investidos R$ 60,6 milhões, agora serão R$ 12,2 milhões. O maior bônus será R$ 584,24. Em 2014, foi de R$ 4.691,37. O menor benefício, em 2015, será R$ 63,18, quando o anterior ficou em R$ 624,17.

“Houve um grande esforço do governo para pagar o BDE este ano. Mas tivemos que transferir parte do recurso que estava previsto no bônus para a progressão salarial dos professores, em acordo com o Sintepe (sindicato docente). Garantimos as progressões, que melhoram os salários dos docentes e permanecem no vencimento. Foram cerca de R$ 56 milhões para isso. Restaram R$ 12,2 milhões para o bônus”, explica o secretário executivo de Educação de Pernambuco, Severino Andrade.

Serão contemplados com o BDE 24.366 professores e 4.353 técnicos, totalizando 28.719 servidores. Ano passado foram 19.927. “Cresceu, em relação ao ano passado, o número de escolas que atingiram pelo menos a metade das metas e por isso receberão o BDE. Este ano são 588. Em 2014 foram 440. Com menos recurso e mais 148 unidades de ensino para dividir a verba, é evidente que o valor do bônus, para cada servidor, seria menor. Sabemos que haverá insatisfação. Mas apesar do cenário de crise, garantimos o benefício pois reconhecemos que é um instrumento importante de valorização dos professores”, enfatiza Severino.

Têm direito ao bônus aquelas escolas estaduais que alcançaram no mínimo 50% das metas pactuadas com a Secretaria de Educação. Segundo Severino, 880 unidades de ensino foram avaliadas, das quais 473 atingiram 100% das metas e 115 conseguiram 50%. Outros 292 colégios não vão ganhar o bônus porque tiveram desempenho abaixo de 50%.

O presidente do Sintepe, Fernando Melo, diz que a progressão na carreira por desempenho era reivindicada desde 1998, quando foi instituído o Plano de Cargos e Carreiras (PCC). Havia o cumprimento apenas da progressão por titulação e por tempo de serviço. Com o direito agora assegurado também por desempenho, os docentes tiveram aumento no salário de 7,01% e os administrativos e analistas de 6,12%.

“Foi desolador saber que o BDE deste ano será tão baixo. É um valor vergonhoso. O bônus é um incentivo para nós, professores, que somos tão desvalorizados”, diz o professor de matemática Paulo Oliveira, 29 anos, da Escola Estadual João Barbalho, localizada em Santo Amaro, área central do Recife. Ano passado, o BDE da escola variou de R$ 1.500 a R$ 4.291.

Fonte: JcOnline

Anúncios