Pensando no planejamento estratégico: “Não deixem que façam por você”

A maturidade aparece com o tempo, bem como a capacidade de interferir nos fatos com assertividade. Claro que no decorrer da caminhada, qualquer que seja ela e para qualquer lugar, algumas dificuldades podem surgir. Projetamos nossos sonhos, e até aquilo que queremos para a empresa (Visão), na perspectiva que momentos felizes e lucrativos possam surgir. No entanto, às vezes a caminhada se torna algo constantemente adiado frente àquilo que desejamos.

Todos nós precisamos nortear nossos esforços, seja nas empresas ou na vida pessoal. E o que mais ouvimos? “Vamos fazer o nosso planejamento” ou “vamos definir a estratégia que nos conduzirá ao sucesso”. É importante, sim, falar sobre planejamento e estratégia, mas essencialmente é importante a prática para os resultados. Assim, exponho uma definição: “o planejamento estratégico é conjunto de informações, que serve como referência e para o planejamento de ações”. Meu planejamento estratégico deve ser orientado por informações para que possa efetivamente ser concretizado e alcançado. Em certos momentos há negligência das pessoas consigo mesmo, acarretando problemas no médio e longo prazo.

Uma situação simples e bastante objetiva que ajuda a entender esta negligência é o que muitas pessoas fazem a cada dia 31 de dezembro de todo ano. Muitas pessoas começam a refletir sobre coisas que não conseguiram no ano que se passou e, diante de uma certa frustração e uma boa dose de revolta, propõem atingir seus objetivos no ano novo. E para deixar mais claro, usarei como exemplo a necessidade de emagrecer. Um certo indivíduo que almeja emagrecer enfrenta uma série de desafios, e o primeiro deles se inicia quando ainda no primeiro dia do ano novo tem aquelas coisas gostosas do réveillon. Depois aparece carnaval, semana santa, e a depender do local, alguma festa típica regional. O intuito de emagrecer, que estava lá no começo do ano só vem a se concretizar na melhor das hipóteses no meio do ano.

E a cada novo ciclo – pois é isso que o réveillon representa-, muitos têm um choque de realidade e outros vão repetir a postura comportamental da pessoa que deseja emagrecer do exemplo acima. Se você está no grupo de pessoas que têm um choque de realidade, meus parabéns – isso nos faz mais humanos e nos faz amadurecer. Agora, se você repete postura de comportamento durante todo o ano, e no final dele fica com a consciência pesada e triste porque não conseguiu os resultados esperados, não tem muito do que reclamar. Tudo na vida é uma questão de escolhas, correto?

Muitos especialistas aconselham a traçar as metas e de preferência colocá-las no papel. Existem pessoas que têm essas metas na mente, e cotidianamente orientam seus esforços para alcançá-las.

Sem neurose!

Independente se você vai seguir os especialistas, ou se você tem o perfil para trabalhar as metas na própria mente, o que deve interessar é simplesmente transformar o plano louco em algo totalmente possível. Vida pessoal? Expansão da empresa? Conquista de um nicho de mercado? Tudo é uma questão de opinião.

E o fundamental: “Não deixem que façam por você… Faça você mesmo”.

Por Ricardo Verçoza – Autor do blog Parceria em Ação

Anúncios